Páginas: 1 2 [3]   Ir para o fundo
  Imprimir  
Autor Tópico: Educação de "sobredotados"  (Lida 11268 vezes)
0 Membros e 1 Visitante estão a ver este tópico.
mb
Participante Regular
*
Offline Offline

Mensagens: 50


« Responder #30 em: 25 de Agosto de 2013, 02:31 »



Há quem diga que gostamos daquilo a que somos bons, mas não é bem assim, há quem goste de algo por achar fácil e quem goste de algo por ser difícil e desafiante, há quem o faça por si e quem o faça pelos outros e pela opinião dos outros, aqui entram os egos e as auto-estimas de cada um.

Gostei da forma e concordo com o conteúdo.


Discussões já discutidas, assuntos já abordados na essência, para mim tornaram-se primários e sem interesse, dejá vu, que não levam a lado nenhum, debater por debater, conversa da treta em vez de se canalizarem os talentos para efeitos mais práticos e a curto prazo, temos muito por onde escolher nas mais diversas áreas, tudo o resto não passa de tertúlias "de saber" completamente inúteis sem resultados à vista.

Eu gosto de debater por debater - tenho sempre esperança de aprender algo novo ou de consolidar algo mal aprendido. É também uma boa forma de perceber alterações nas posições das pessoas com quem debato. Frequentemente repito perguntas em alturas ou situações ligeiramente diferentes para conseguir ter uma visão mais completa da opinião/estado de espírito dos outros.
Além disso, um debate que é uma repetição para mim pode ser novo para o meu interlocutor...


...só para desmistificar um pouco a inteligência, para quem aqui apareça.[...]


Obrigado pela visão refrescante.
É mais fácil (e como vejo potencialmente enganador) procurar potencial num aluno brilhante - no entanto pergunto-me se existirão sinais que se possam procurar em pessoas que não sobressaiam nos estudos... Como é que se podem detectar os einsteins - as pessoas cheias de potencial que no entanto têm um percurso escolar/académico médio ou mesmo abaixo da média? Existe algo que as distinga?
Mais ainda - como é que se podem ajudar essas pessoas a concretizar o seu potencial? O que é que as impede de conseguir chegar mais longe?


[...] é essa educação avançada, baseada no diálogo, na reflexão, no muito importante raciocínio matemático e científico, na história e na filosofia, que eu considero serem sempre do interesse ávido de quem tem capacidades e potencialidades acima da média.

Pode ser uma generalização perigosa. Acredito que (por exemplo) um Mozart ou um Goethe pudessem ter outros interesses que não esses.


Já agora, mb, se puder saber o que tiraste na universidade, por curiosidade, gostava (por pm ou aqui), mas caso não queiras dizer compreendo perfeitamente.

Engenharia aeroespacial no IST.
Registado
Davidze
Participante Regular
*
Offline Offline

Mensagens: 45


« Responder #31 em: 25 de Agosto de 2013, 09:16 »


Gostei da forma e concordo com o conteúdo.

Eu gosto de debater por debater - tenho sempre esperança de aprender algo novo ou de consolidar algo mal aprendido. É também uma boa forma de perceber alterações nas posições das pessoas com quem debato. Frequentemente repito perguntas em alturas ou situações ligeiramente diferentes para conseguir ter uma visão mais completa da opinião/estado de espírito dos outros.
Além disso, um debate que é uma repetição para mim pode ser novo para o meu interlocutor...


Obrigado pela visão refrescante.
É mais fácil (e como vejo potencialmente enganador) procurar potencial num aluno brilhante - no entanto pergunto-me se existirão sinais que se possam procurar em pessoas que não sobressaiam nos estudos... Como é que se podem detectar os einsteins - as pessoas cheias de potencial que no entanto têm um percurso escolar/académico médio ou mesmo abaixo da média? Existe algo que as distinga?
Mais ainda - como é que se podem ajudar essas pessoas a concretizar o seu potencial? O que é que as impede de conseguir chegar mais longe?

Pode ser uma generalização perigosa. Acredito que (por exemplo) um Mozart ou um Goethe pudessem ter outros interesses que não esses.

Engenharia aeroespacial no IST.


Ok...
 Pela primeira vez não li uma resposta inteira, é exactamente para isso que vou.  Mr. Grin
Registado
mb
Participante Regular
*
Offline Offline

Mensagens: 50


« Responder #32 em: 25 de Agosto de 2013, 18:19 »


Ok...
 Pela primeira vez não li uma resposta inteira, é exactamente para isso que vou.  Mr. Grin

Continuamos esta conversa offline, para não encher esta thread.
Registado
António Chagas
Participante Regular
*
Offline Offline

Sexo: Masculino
Mensagens: 43


Per Ardua Ad Astra


« Responder #33 em: 26 de Agosto de 2013, 07:29 »


mb, como é que se continua uma conversa offline?
Registado

A intolerância só se justifica perante ela própria.
mb
Participante Regular
*
Offline Offline

Mensagens: 50


« Responder #34 em: 26 de Agosto de 2013, 08:13 »


A técnica tem variado bastante nos últimos 100 ou 5000 anos. A técnica que uso hoje em dia é combinar um encontro numa hora que se sobreponha a uma refeição. Antigamente usava a técnica alternativa de combinar esses encontros no período que existe entre a última refeição do dia e a hora de deitar, mas depois de ser pai deixei de ter essa capacidade/liberdade.

É realmente uma arte milenar cujo destino provável é perder-se na noite dos tempos...


(Já tinha acabado de carregar no "Enviar" quando percebi que alguém podia pegar na minha infeliz escolha de palavras)

Registado
Páginas: 1 2 [3]   Ir para o topo
  Imprimir  
 
Ir para:  


Termos de Utilização | Política de Privacidade | F.A.Q. | Admissão | Teste Diagnóstico

SimplePortal 2.3.3 © 2008-2010, SimplePortal